Perfil de Bandeirantes

 

DADOS GEOGRÁFICOS:

Altitude: 629m

Latitude: 19º55’04” Sul

Longitude: 54º21’50” Oeste

 

DADOS ESTATÍSTICOS:

Total: 6614 habitantes

População Urbana: 75%

População Rural: 25%

Área Territorial: 3.116 Km²

 

HISTÓRIA DE BANDEIRANTES:

Referências históricas mais conhecidas e confiáveis indicam como primeiros habitantes da região de Bandeirantes os componentes da família de José da Rocha Xavier e Maria Abadia de Castro, proprietários da Fazenda Cervo, região esta que era atravessada pelo caminho que ligava Campo Grande a Coxim (ligação também para Cuiabá e o estado de Goiás). Bandeirantes nasceu dos sonhos de homens e mulheres, verdadeiros desbravadores, que em (1881-1882) vieram da região de Rio Verde de Goiás um grupo de familiares, que tinham como líder o médico Jerônimo Pereira Maia, avô materno de José da Rocha Xavier, que já ficara conhecendo esta região quando de sua participação na Guerra do Paraguai (1864-1870). As famílias pioneiras da região chegaram em 1883 e dentre eles Jerônimo Pereira Maia que estabeleceu sua sede próximo do Córrego da Mata com o Bracinho, Manoel Pereira Maia no Córrego da Divisa, Jerônimo Pereira Maia Filho, no Córrego da Lagoa até o Macaúba, Quirino Nogueira Gomes no Córrego Macaúba, Idalécio Arantes no Córrego da Ronda, Antônio Pereira de Souza no Córrego da Ronda, José da Rocha Xavier da Cabeceira do Córrego Cervo até o Córrego Cervinho formando duas sedes uma no Córrego da Mata (hoje cidade de Bandeirantes) e outra no Córrego Figueira (braço do Córrego Cervinho) e ainda as famílias de Manuel de Souza Brandão no Córrego Ponte Vermelha, de José Luiz de Oliveira que se instalaram na região do Córrego Pontinha e de Belchior Luiz de Oliveira na região do Rio São João. Vieram seus filhos e seus netos, e nesta terra plantaram suas raízes e deu origem a região hoje Município de Bandeirantes. A família Rocha tem sua tradição religiosa como marca na sua participação histórica ligada ao Santuário do Divino Pai Eterno em Trindade de Goiás, cidade fundada por Constantino Xavier Maia, avô paterno de José da Rocha Xavier.

Outros moradores se instalaram naquela fazenda com permissão da família Rocha. Era um sinal evidente de progresso local, cuja repercussão já atingia Cuiabá, no Governo do Coronel Pedro Celestino. A primeira iniciativa de instalar na área uma colônia, a fim de atender às aspirações daqueles moradores surgiu na Prefeitura de Campo Grande, então administrada por Arnaldo Estevão de Figueiredo.

Em 18 de Janeiro de 1930, pelo Decreto n° 898, o Governo do Estado reservou no lugar denominado Cervinho, de propriedade de José da Rocha Xavier, uma área de 8.702 ha destinada ao povoamento, que foi loteada com a denominação de Colônia Bandeirantes no Distrito de Jaraguari, município de Campo Grande.

Em 1958, Joaquim Luiz da Rocha (Quinca Rocha), neto de Rocha Xavier, elegeu-se prefeito de Jaraguari  e conseguiu aprovar a criação do Distrito de Bandeirantes pela Lei Estadual nº 1.128, de 17 de Novembro de 1958, subordinado ao município de Jaraguari. Em 11 de novembro de 1963 Bandeirantes é oficialmente criada pela Lei Estadual nº 1.947, de autoria do Deputado Valdevino Rodrigues Guimarães e sancionada pelo Governador Fernando Correa da Costa e em 20 de junho de 1965 é finalmente instalada.

Em homenagem aos componentes das legendárias bandeiras que no passado penetraram e desbravaram o estado de Mato Grosso do Sul.